sábado, 2 de junho de 2007

Aventuras no Metro III

Ontem, quando entrei na estação do Saldanha (sim, aquela estação onde foi lançado gás pimenta na quinta-feira de manhã!) para ir para Sete Rios, apanhar o autocarro para vir para casa, tive a visão do dia, talvez até da semana. À minha frente, estava uma senhora um pouco digamos... aparentemente doida. Ela olhou para mim, com uns olhares muito demoníacos e os cabelos dela todos revoltados só ajudavam mais a situação... Aliás, eu pensei em mudar de lugar, porque a mulher assustou-me. Sim, porque ela começou a rir-se e a falar sozinha e a passar a língua pelos lábios... okay, nojento!

Como disse mais tarde numa mensagem prá Rita: "A mulher parecia a Tia Dalma versão loira pintada com os cabelos todos revoltados! E parecia que estávamos numa cena dos Piratas e que ela ia destruir aquilo tudo a qualquer momento!"

parafina falsificada

3 comentários:

rummy disse...

n acredito q falas duma pobre e desconhecida senhora qunado, sem duvida nenhuma, o melhor episodio no metro foi o "CALEM-SE"

Anónimo disse...

eu fiquei realmente assustada com a tua sms. afinal de contas, já era tarde e ás vezes encontra-se com cada coisa no metro... take care *

Nadir Tejani disse...

E eu, que encontrei uma chalada a dançar na Rua Augusta para uma hora mais tarde encontrá-la em Cacilhas e no autocarro para casa? A mulher estava taaaaaaaaaaaaao high que não tens noção. Só fazia raps e de cinco em cinco palavras inseria 'xenofobia'. Era uma fofa, com uns óculos de sol que lhe tapavam a cara toda, um cabelo assustadoramente medonho e um vestido Emilio Pucci-like, em tons de turquesa e roxo. E anda na estrada, a apanhar bilhetes da Transtejo para atirar às valas.