domingo, 12 de agosto de 2007

Foram Cardos, Foram Prosas

Esta música já é velhinha, é certo. Mas hoje, quando a Bifinho me deu boleia para casa, ouvimo-la pela primeira vez em anos, na rádio. É certo que a conhecíamos, mas já não nos lembrávamos bem da letra. Qual não é o nosso espanto quando chega à parte do refrão e reparámos que a música, ouvida algures na nossa infância, era tipo... um pouco pornográfica:

Há luz sem lume aceso
Mas sem amar o calor
À flor de um fogo preso
À luz do meu claro amor

Há madressilvas aos pés
E águas lavam o rosto
A morte é uma maré
Olho o teu amado corpo


Será sempre a subir
Ao cimo de ti
Só para te sentir
Será no alto de mim
Que um corpo só
Exalta o seu fim


Não foram poemas nem rosas
Que colheste no meu colo
Foram cardos foram prosas
Arrancados ao meu solo

Oi que ainda me queres
No amor que ainda fazemos
Dá-me um sinal se puderes
Sejamos amantes supremos


Será sempre a subir
Ao cimo de ti
Só para te sentir
Será no alto de mim
Que um corpo só
Exalta o seu fim. . .


Letra: Miguel Esteves Cardoso/Ricardo Camacho
Intérprete: Ritual Tejo


parafina falsificada (sim, eu sei que a Manuela Moura Guedes é que cantou isto primeiro... *arrepio*)

3 comentários:

Undisclosed Recipient disse...

ENA! Eu também ouvi ontem essa música, na M80! Spoooooooky!

Rita disse...

hey, eu também ouvi essa música!!
e gosto, vá, sou sincera! **

rummy disse...

vcs sao umas badalhocas, ate ler isto nc tinha interpretado isso de modo perverso.

manuela moura guedes a cantar é algo q n quero imaginar