sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Momentos ffulianos #1

Foi hoje que finalmente te voltei a ver. Tu, com a tua camisa e a tua gravata de praxe, entraste pelo Anfiteatro F adentro, ligaste o pc e meteste a pen. Lá, encontrava-se a aula que nos ias dar hoje. Já tinha saudades tuas, daquele teu sorriso gozão e do facto de não saberes mexer no interruptor das luzes do anfiteatro e sempre que lá mexes, nos proporcionares um verdadeiro momento fantástico com luzes a serem apagadas e acendidas constantemente, como se estivéssemos numa discoteca.
Sentei-me, e comecei a ouvir-te falar. Falaste sobre uma coisa extremamente interessante, a inflamação. Acredita que tentei tirar apontamentos, mas estava demasiado hipnotizada pela tua presença. Só saí desse estado de transe quando, finalmente, fizeste uma das tuas. Disseste "Forças de «Stalin»", com esse teu sotaque tão característico. Na verdade, o que querias dizer era "forças de Starling", mas deixa estar, eu perdoo-te.
Vê bem como a tua aula é tão boa, que eu até saí 25 minutos mais cedo para ir apanhar o expresso que era só daí a uma hora e 25 minutos.


Eu adoro-te mesmo, Pacemaker.



[Nota: Este texto é uma forma extrema de ironia. É claro que eu não admiro o Pacemaker. Quer dizer, ele até pode fazer slides das aulas muito bons, mas ele a dar teóricas simplesmente dá sono.]

parafina falsificada

1 comentário:

Rita disse...

Que texto maravilhoso!! Aposto que se o Pacemaker pudesse lê-lo ia ficar sensibilizado :P