quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Educação na saúde

O que escrevo no título deste post é uma coisa que faz muita falta aos portugueses. Por tudo e por nada, toma lá um antibiótico. E quando digo, por tudo e por nada, é mesmo por tudo e por nada! É que chega a enervar!

Hoje chegou-me uma senhora à farmácia a pedir Furadantina (Nitrofurantoína). Para os leigos, esta substância é um antibiótico, muito utilizado no tratamento de infecções urinárias.
Quando prescrito pelo médico.

Na farmácia, não devemos vender isto sem receita médica, bem como não devemos fazer com que as pessoas pensem que tomar antibióticos, "só porque sim", é fixe.

Ora, a senhora que hoje me lá apareceu, mostrou-se muito surpreendida quando lhe disse que não podia vender-lhe o antibiótico, sem uma receita médica ou uma nota que fosse do médico. De seguida, aconteceu mais ou menos isto:

Senhora: O quê?! Mas desde quando é que a Furadantina é antibiótico?!
parafina falsificada *pausa para não me passar*: Desde sempre, minha senhora.

E sabem a reacção dela?! Ficou a olhar para mim. Óbvio que não lhe dispensei o antibiótico, sei que muita boa gente o faz, e provavelmente ela foi a outra farmácia e comprou, mas o problema é dessas pessoas que o venderam.

É que esta gentinha deve pensar que tomar antibióticos assim é do melhor que há cá. Pois bem, flash news, os antibióticos criam resistências e, o mais provável é, depois de tanto uso assim indiferenciado, quando necessitarem do antibiótico realmente, ele já não vos faz o efeito que é suposto. E depois queixam-se "ah o medicamento não me faz nada". Pois...

Enfim.

parafina falsificada

6 comentários:

Chico disse...

Aconteceu-me precisamente o mesmo, mas a senhora ainda acrescentou no final "sabe que nas outras farmácias mo vendem na mesma?" ao que eu respondi "isso fica na consciência de quem lho vender indiscriminadamente." Adeuzinho e boa tarde, é o que merecem ouvir :P

Andie disse...

Infelizmente, isto é o pão nosso de cada dia da farmácia comunitária. O que me deixa mais triste ainda é que todos os anos, novos estagiários começam a trabalhar, tornam-se profissionais na área e constatam as mesmas coisas daqueles que detectaram estes problemas há mais tempo. Ou seja, não melhora. E ainda mais desanimador, se calhar a tendência é mesmo para piorar.

A única coisa que se pode fazer é mesmo ter a coragem de dizer que não a uma venda deste tipo. Mas aí encontram-se muitas dificuldades.... não só da parte do utente (o interessado nº1), mas possivelmente da parte do chefe (o interessado nº 2).

A farmácia tem (ainda? e por quanto mais tempo?) um papel preponderante na educação de saúde na sociedade (particularmente portuguesa).

parafina falsificada disse...

Chico: Esta gente e os supostos profissionais de saúde que lhes vendem os antibióticos assim, como se nada fosse, enervam-me bastante!

Andie: Na farmácia onde estagiei e estou, de momento, a fazer umas horas, nunca ninguém me disse "tens que vender um antibiótico" quando apareciam casos destes. E ainda bem, porque eu não me sinto nada bem a dispensar coisas destas assim. Mas é triste mesmo, porque parece que, por mais que nós queiramos educar as pessoas, as pessoas não querem, cada vez mais, receber os nossos conselhos.

Amelie disse...

Os leigos, vulgo, utentes, estão cada vez mais por dentro do assunto. Sabem dizer ao médico exactamente a medicação que precisam depois de terem feito o próprio diagnóstico. Gente fera é outra coisa -.-

parafina falsificada disse...

Amelie: Isso é o mal da internet e do google. Qualquer pessoa coloca uma série de sintomas no google e vai parar a uma série de páginas que lhes "dão" conselhos.

offigsandpears disse...

Lembrei-me deste teu post ainda há bocado, quando discutia com a minha mãe sobre o facto de a Nitrofurantoína ser um antibiótico.

A minha avó está com uma infecção urinária e a ideia era levá-la ao hospital. Mas a minha tia-avó começou logo a dizer que não valia a pena, que bastava dar-lhe Furadantina. Ia-me passando. Especialmente quando a senhora minha tia-avó começou a teimar que a Furadantina não é antibiótico nenhum.

É verdade que (incrivelmente!) ainda há muita ignorância no que diz respeito aos medicamentos, antibióticos em particular. Mas pior que a ignorância é mesmo o não querer saber.

Saturnine