quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Histórias das minhas viagens V

Já devo ter dito por aqui algures que 90% da população que frequenta os expressos Lisboa - Castelo Branco e vice-versa são velhos [os outros 10% são universitários]. Okay, idosos... Mais particularmente, idosas.

Não sei se já referi, mas as idosas pensam que têm que entrar primeiro que as outras pessoas nos autocarros porque pensam que não vão ter lugar para elas se não o fizerem (bem, por alguma razão há lugares marcados...). E, ao fazerem-no, não interessa quem/o que esteja à frente... elas atropelam tudo.

Aconteceu isso quando me dirigi para Castelo Branco, de tarde. O raio duma velha empurrou uma miúda da forma mais brutal possível e nem um pedido de desculpas fez. Obviamente, o senhor do autocarro disse-lhe para ter calminha nos aceleradores, porque havia lugar para toda a gente...

Assim que começou a viagem (e eu tenho sempre uma sorte... ou vão ao meu lado ou então nos bancos directamente à minha frente) a mulher começou a barafustar e não se calava. Mas quando eu digo que não se calava, não se calava mesmo. E ela tinha umas goelas... Só apetecia pôr fita adesiva naquela boca.

Além do mais, e uma viagem de duas horas e meia chegou-me para chegar a essa conclusão, ela é do tipo de pessoas que tem muita garganta e é extremamente estúpida e teimosa. Então imaginem que vínhamos nós no Entroncamento e a mulher resolve dizer que estamos em Abrantes. Apesar de catrafunhadas de pessoal lhe ter dito que não, aquilo não era Abrantes, a mulher continuou a dizer que sim, era. (Obviamente, quando viu uma placa a dizer Entroncamento Oeste, calou-se...)

E assim que começámos a avistar Castelo Branco, ela exclamou, na voz mais provinciana e serrana de sempre: "Chegáramos!"

Só a mim!

parafina falsificada (estive mesmo para pedir à senhora para se calar... não da forma mais simpática, isso é verdade!)

1 comentário:

Rita disse...

A mim aconteceu-me uma similar quando vim pa Coimbra a semana passada. Queria eu estudar e não conseguia... grr!