sexta-feira, 22 de setembro de 2006

Stress de mãe II

Mãe parafina falsificada: Olha, passas assim as toalhas...
parafina falsificada: Mãe, eu acho que ainda sei passar toalhas!
Mãe parafina falsificada*ignora*: E estas camisolas com bonecos aqui não as podes passar nestes sítios...
parafina falsificada: Sempre soube disso... excepto daquela vez em que ocorreu aquele pequeno acidente...
Mãe parafina falsificada: É mesmo para evitar esse tipo de acidentes que te estou a dizer isto...
parafina falsificada: Mas isso aconteceu há sete anos atrás!!!

(...)

Mãe parafina falsificada: Quando fizeres arroz, deitas apenas uma mão cheia dele para o tacho, visto que só vais fazer comida para ti...
parafina falsificada: Tipo, eu já cozinhei na minha vida...
Mãe parafina falsificada: Não interessa!

(...)

Mãe parafina falsificada: Tens aqui este champô, gel de banho, estas toalhinhas...
parafina falsificada: Sim, mãe. Olha, o que eu comprei... *mostra bandelete preta*
Mãe parafina falsificada: Ah vês, também já estás a entrar no espírito da coisa...
parafina falsificada: Hum, não.

(...)

Mãe parafina falsificada: Oh filha, levas tanta coisa!
(1 minuto depois)
Mãe parafina falsificada: Oh filha, levas tão pouca coisa!


parafina falsificada (Mães: Não há quem as entenda!)

2 comentários:

Minerva McGonagall disse...

As mães são todas iguais; a minha, sempre que vai para fora um fim-de-semana, telefona-me à noite a peguntar se fechei a porta, o gás, e melhor ainda, se comi e o quê! Não há paciência...

parafina falsificada disse...

Pois, realmente eu estou a ver a minha mãe a telefonar-me todos os dias a perguntar o que comi, o que fiz, etc. etc.

Não hã-de ser nada!